Ultimas atualizações
  • Teste 1: Teste

  • CUSTOMIZAÇÃO DE MOTOS HD

  • PRODUTOS PARA HARLEY-DAVIDSON

  • TOMBO NA LAMA NO PR

  • RJ: SALÃO MOTO BRASIL

  • DIAVEL BLACK

  • ESPANHOL DE MOTOVELOCIDADE

  • BRASILEIRO DE MOTOCROSS

  • RECALL NA HONDA CRF 450 R

  • Post por // junho 3, 2015
    Segundo relatório da Fenabrave (federação das concessionárias), entidade que representa mais de oito mil revendas de veículos no Brasil, o mês de maio apresentou queda de 2,7% em relação a abril para o setor nacional da distribuição de veículos (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários, tratores e máquinas agrícolas).
    O estudo indica que foram emplacadas 333.806 unidades em maio, contra 343.068 no mês anterior. Na comparação entre os meses de maio de 2015 e o mesmo mês de 2014 (440.109), a distribuição de veículos registrou retração de 24,15% este ano. Já no acumulado do ano, houve queda de 18,20% para todos os setores. Nos primeiros cinco meses deste ano, foram emplacadas 1.723.382 unidades, contra 2.106.920 no mesmo período de 2014.
    Em relação ao segmento de motocicletas, notou-se uma queda de 2,48% em maio, na comparação a abril. Foram emplacadas 105.472 unidades em maio, contra 108.155 no mês anterior. Em relação a maio de 2014 (126.704), este setor apresentou uma redução de 16,76%. Já no acumulado do ano (540.560) em relação ao mesmo período de 2014 (613.841), o segmento das duas rodas registrou retração de 11,94%.
    Os segmentos de automóveis e comerciais leves tiveram retração de 3,14%, totalizando 204.978 unidades em maio, contra 211.625 em abril. Se comparado com maio do ano passado (277.886 unidades), o resultado aponta uma baixa de 26,24%. No acumulado do ano, esses segmentos caíram 20,02%. Foram comercializadas 1.065.252 unidades de janeiro a maio de 2015, contra 1.331.950 no mesmo período de 2014.
    Para o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr., sem mudanças no quadro atual, os indicadores econômicos negativos contribuíram para mais uma queda nas vendas de veículos. “Sem alteração no cenário, a baixa atividade econômica, a alta da inflação, das taxas de juros – que afetam as ofertas de crédito –, e o alto índice de endividamento das famílias afetaram, mais uma vez, as vendas do setor”, explicou.
    © Todos os direitos reservados - 2018